Carlos Melo

Equipes do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de São Cristóvão trabalharam durante todo o final de semana na manutenção dos equipamentos da rede, para garantir o abastecimento de água para a população. Durante o último sábado (22), das 10h às 20h, o abastecimento foi interrompido na região da Cidade Alta. O problema foi ocasionado por funcionários de uma empresa contratada pela Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), que durante a realização de uma obra obstruíram a rede adutora principal.

“Reunimos uma grande equipe para reconstruir a rede danificada e solucionarmos o problema. Às 21h do sábado, o abastecimento já havia sido retomado”, explicou o diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de São Cristóvão, Carlos Melo. Segundo ele, após este caso, ficou acordado que a Deso só poderá realizar obras de saneamento, após aprovação dos projetos pela Saae.

Já na Cidade Baixa, região abastecida pela barragem do Rio Comprido, foi detectada a não conformidade na bomba de abastecimento. Por conta dessa anormalidade, fez-se necessário o desligamento imediato da bomba para manutenção. “Fizemos troca de bombeamentos, rolamentos e de óleos. Substituímos gaxetas e fizemos um reforço na base da bomba, diminuindo assim a vibração na máquina”, explicou Carlos Melo.

De acordo com Melo, o corte no abastecimento foi preventivo, mas extremamente necessário. “Se não realizássemos este serviço agora, correríamos o risco de perder o equipamento. A equipe da Saae trabalhou com muito empenho para não prejudicar o abastecimento de água para a população. Muitas vezes não entendemos a complexidade que é levar águas às torneiras das casas. A manutenção realizada na barragem de Rio Comprido, normalmente levaria de oito a dez dias para ser finalizada, mas nossa equipe realizou uma força tarefa e conseguiu retomar o abastecimento em apenas 36 horas”, esclareceu.

Renovação da rede


O sistema de abastecimento de água de São Cristóvão não conta com bomba reserva há cerca de 20 anos. Este equipamento permitiria que o abastecimento não fosse interrompido, em momentos de manutenção e limpeza.

“Estamos mantendo a operacionalidade com muito cuidado e monitoramento. Sabemos que a cidade é bem abastecida por rios. Os entraves estão nos equipamentos, sucateados por anos sem manutenção. Para resolver este problema, já compramos bomba reserva. Ela está sendo montada por uma empresa especializada em São Paulo e isso leva certo tempo para ficar pronta. Esta bomba reserva é prioritária para manter a qualidade no abastecimento”, informou Carlos Melo. De acordo com o presidente da Saae, a meta da instituição é substituir todos os equipamentos sucateados do sistema de abastecimento de água do município.

Vale a pena reforçar que a necessidade do sancristovense ter em casa um reservatório de água. A implantação desta reserva garantiria o consumo de água em momentos de suspensão do abastecimento.


Foto: Danielle Pereira


Carlos Melo