Apresentações teatrais marcaram o encerramento da Semana Nacional de Trânsito, em São Cristóvão, na tarde desta segunda-feira (25). A atividade ocorreu no Centro Administrativo da Prefeitura (antigo lar Imaculada Conceição), na sede, e reuniu alunos de escolas do município e participantes do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast). 
 
Realizada pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de São Cristóvão (SMTT/SC), em parceria com a Secretaria Municipal de Educação e Semast, a iniciativa teve como objetivo conscientizar a população sobre a responsabilidade coletiva e a importância da mobilização para um trânsito mais seguro. 
 
Segundo o superintendente municipal de Transportes e Trânsito de São Cristóvão, major José Luiz Ferreira, foram realizadas várias atividades, como palestra, blitz educativa, teatro e exposições sobre o tema, para a população em geral, mas com o fogo nas crianças e adolescentes. “Acreditarmos no papel multiplicador e transformador dessa parcela da sociedade. Também estamos formando futuros condutores e pedestres muito mais consciente do seu papel para um trânsito seguro”, defendeu. 
 
Cidadania 
 
Durante os dias de evento, a SMTT/SC contou ainda com seguintes parceiros: Guarda Municipal de Aracaju, Polícia Rodoviária Estadual e Federal, Polícia Militar de Sergipe, SAMU, Litrauma (Universidade Federal de Sergipe) e Projeto Vida no Trânsito (Ministério da Saúde).

Nesta segunda-feira- quando é comemorado o Dia Nacional do Trânsito-, os participantes tiveram a oportunidade de assistir a apresentações dos grupos de teatro da Guarda Municipal de Aracaju e da Assembleia Legislativa de Sergipe, além de um esquete dos participantes do Centro de Convivência e Fortalecimento de Vínculos da Semast.  No roteiro, normas básicas de trânsito- para condutores e pedestres-  e lições de cidadania. 
 
“Quando mais acesso a informações, mas rápido se dá o aprendizado.  O conhecimento também é multiplicado, criando uma corrente de cidadania”, argumentou a coordenadora do Centro de Vivência e Fortalecimento de Vínculos, Rafaela França.
 
Construção 

Opinião compartilhada pelo diretor José Macário: “Ações com estas despertam nas crianças, desde muito cedo, o sentimento de cidadania, mostrando de maneira lúdica que existem direitos e deveres no trânsito, e a importância de respeitá-los. Isto é construir um uma nova relação no trânsito”, avaliou. 

Lições que foram aprendidas pelas amigas Gisele Santos, 10 anos, Ivana Azevedo e Bianca Maria Carvalho, as duas com 9 anos. “Gostei de tudo, e aprendi que é preciso muito cuidado ao atravessar a rua”, contou a pequena Gisele. “Agora entendi melhor porquê meu pai não me leva para passear sem o capacete. É perigoso”, explicou Bianca. “É porque ele cuida de você. A gente viu na peça”, complementou a amiga Bianca. 

Fotos: Márcio Garcez