Nesta sexta-feira (20) ocorrerá mais uma edição da “São Criativos – Feira de Artesanato”, a partir das 16h, na Praça São Francisco, Centro Histórico de São Cristóvão. A proposta é valorizar a diversidade cultural da cidade, resgatando a sua tradição histórica e artística, e também criar novas possibilidades de geração de renda aos artesãos e empreendedores locais. 

Além da produção artesanal e gastronômica, a “São Criativos” reserva espaço para apresentações artísticas- nesta edição com a participação do cantor e compositor Kleber Melo, do DJ Lucas Moura e de Ren Rap. Os artistas se somam às atrações do “Palco Aberto”, especialmente preparado para que poetas, cordelistas, músicos e produtores culturais mostrem sua arte de forma democrática.

Este ano, já é 6ª edição da feira “São Criativos”, em eventos realizados tanto na sede quanto no Grande Rosa Elze. A atividade é uma parceria da Fundação Municipal de Cultura e Turismo João Bebe-Água e das secretarias municipais de Governo e de Assistência Social e do Trabalho.

Valorização cultural 

A secretária de Assistência Social e do Trabalho, Fernanda Santana, apontou a participação da população local, tanto os expositores quando os moradores que visitam a feira, como um aspecto importante na construção do projeto.  “A  ‘São Criativos’ está mostrando que os sancristovenses estão ocupando  o seu espaço, o seu território, assim fortalecendo o sentimento de pertencimento ao município. Estamos muitos felizes em ver que a iniciativa vem se firmando como um espaço de valorização das nossas riquezas culturais e de quem as produz”, frisou. 

Para o presidente da Fundação Municipal de Cultura e Turismo João Bebe-Água, Gaspeu Fontes, a feira mostrar a importância de incorporar as iniciativas culturais no âmbito das políticas públicas. “O que vivenciamos nas edições da ‘São Criativos’, com a venda da produção sancristovense e a valorização da nossa cultura, é algo a ser destacado. Além disso, temos a nossa música sergipana sendo compartilhada, a população interagindo e transformando a praça em algo vivo. São os espaços públicos realmente ocupados e vividos pela população”, analisou.  
 
Fotos: Danielle Pereira