Moradores de São Cristóvão, programadores e estudantes da área de computação têm ate próxima segunda-feira, dia 06, para se inscreverem no ‘Hackathon Carmelita’, realizado durante a 34° edição do Festival de Artes de São Cristóvão, entre os 1º e 03 de dezembro. O Campus Party objetiva desenvolver soluções, por meio de aplicativos e softwares, para demandas dos moradores nas áreas de Desenvolvimento, Educação, Gerenciamentos de Riscos, Gestão Ambiental, Gestão de Informação, Infraestrutura, Saúde, Segurança, Trabalho e Geração de Renda, Turismo e Cultura.

Para participar, é preciso preencher ficha de inscrição disponível no site da Prefeitura no link http://www.saocristovao.se.gov.br/eventos/hackathon.htm. São dez vagas para moradores do município. Já os profissionais da área e estudantes dos cursos de Engenharia de Computação, Sistemas de Informação e Ciências da Computação podem realizar a inscrição no site da Universidade Federal de Sergipe (UFS), por meio do edital http://www.ufs.br/uploads/content_attach/path/24846/EDITAL_N__17_-_BOLSISTA_FASC-PRODAP_-_PROJETO_HACKATON.pdf.

Professor da UFS e um dos coordenadores do evento, Augusto César Vieira dos Santos explicou que o Hackathon é um projeto inédito em Sergipe e aproximará a população sancristovense da universidade, além de promover a participação cidadã. “Essa ação é inédita em Sergipe. É o primeiro projeto que a UFS faz com uma prefeitura municipal. Nosso objetivo é criar soluções, através de aplicativos e softwares, para os problemas da cidade. Para isso, vamos reunir profissionais da área de informática, estudantes, representantes da Prefeitura e moradores”, disse.

Augusto frisou que o Hackathon debaterá problemas e soluções durante 73 horas, num sistema de imersão. As discussões buscarão resolver, através de pesquisa prévia e identificação de demandas, concepções que facilitem a vida da comunidade. Por exemplo, poderá ser criado um aplicativo para marcação de consultas nas unidades de saúde ou que identifique pontos irregulares de descarte de lixo.

“Serão dez equipes, com cinco integrantes, formadas por profissionais de computação, estudantes, representante da prefeitura e moradores. Disponibilizamos dez vagas para especialistas e 20 vagas para profissionais de computação. Ficaremos 73 horas ouvindo as demandas da cidade e buscando soluções no que chamamos de sistema de imersão, ou seja, um trabalho ininterrupto, o qual só encerrará quando temos as soluções”, informou. Com as soluções apresentadas, a Prefeitura de São Cristóvão irá desenvolver os aplicativos. Os custos serão da gestão.

O que é?

Durante o Festival de Artes de São Cristóvão, a Prefeitura de São Cristóvão, em parceria com a UFS, irá colher informações sobre as demandas da população e desenvolver, aplicativos que facilitem a vida da população.
O nome Hackathon vem da palavra “Racker” (de rackear dados), tudo em benefício do cidadão, e o ‘Tona’ vem de maratona, ou seja, uma maratona de programação, cujo objetivo é desenvolver um software que atenda a um fim específico ou projetos livres que sejam inovadores e utilizáveis.