A mistura de estilos musicais marcou a segunda noite de shows no palco João Bebe-Água na 34° edição do Festival de Artes de São Cristóvão (FASC). Patrícia Polayne, Os Filhos dos Caras, Margareth Menezes e a sergipana Joésia Ramos subiram ao palco neste sábado (02), reafirmando a diversidade cultural e de estilos do FASC. 

O prefeito Marcos Santana fez um balanço sobre a primeira noite do evento e falou sobre seu sentimento em relação à realização da festa. "O sentimento hoje é de alegria. O povo de Sergipe respondeu, acolheu e esperou por muito tempo este festival. São 12 anos sem realizá-lo e finalmente a gente conseguiu. Era uma proposta do nosso governo, eu não poderia deixar de fazer. Eu estava preocupado com a questão de segurança, mas está tudo correndo bem. Não tivemos nenhum episódio de violência. O saldo é bastante positivo e eu estou muito alegre e emocionado", relatou.

De acordo com o vice-governador, Belivaldo Chagas, a revitalização do Fasc tem grande significado para a população sergipana. "Quero parabenizar o prefeito Marcos e dizer que ele acerta quando resgata um evento tão importante para Sergipe como este, afinal de contas, são 12 anos sem que tivéssemos esse festival. A gente vê o carinho com que ele está tratando o município como um todo e principalmente a questão de ordem cultural. Por isso vim aqui, assim como já esteve o governador Jackson Barreto. Fiz questão de estar presente para prestigiar o evento e para dar essa força que Marcos precisa", disse.

Já o secretário de Estado do Turismo, Fábio Henrique, enfatizou a relevância do festival para o turismo. "O Festival de Arte de São Cristóvão é um dos mais importantes eventos culturais de Sergipe, que estava dormindo e agora foi resgatado. E isso é importante para o turismo também porque nós estamos na cidade mais importante do ponto de vista turístico para Sergipe. São Cristóvão é a primeira capital, é a cidade mãe, é patrimônio histórico da humanidade com a Praça São Francisco", pontuou.

Apresentações

A programação do segundo dia incluiu apresentações dos grupos Alma de Artista (Nelson Santos Cia de Dança), Olé! (Espaço Forma Escola de Dança) e do teatro de bonecos Mamulengo de Cheiroso.


Na sequência, Patrícia Polayne apresentou sua mistura de música e poesia e o grupo ‘Os Filhos dos Caras’ trouxeram uma releitura do trabalho de Jair Rodrigues, Simonal e Tim Maia. “Nosso show é calcado nas músicas de nossos pais. Na energia deles”, declarou Wilson Simoninha.
 
 "Estou muito feliz pela apresentação de hoje. A cidade está linda, o povo vibrante. Apresentei um repertório novo. O FASC tem uma importância imensa para Sergipe, porque é um legado cultural e artístico", disse Polayne.

Os shows continuaram com Joésia Ramos e Margareth Menezes. Comemorando 30 anos de carreira, Margareth embalou o público com sua percussão marcada, letras forte e axé. “Nesse show, vou mostrar sucessos de minha carreira, músicas do projeto “Margareth Canta Gil e Caetano” e músicas inéditas que estou lançando em 2018. Farei um show com momentos variados. A arte transforma tudo, faz bem para o coração das pessoas”, disse.

Subiram ao Palco Frei Santa Cecília (Praça do Carmo) Brinquedolelê, Grupo de Dança Free Step, Escola de Dança Rick Di Karllo, Kleber Melo, Heitor Mendonça, Plástico Lunar, Mestre Madruguinha e Reação. Além das atrações musicais, o Festival conta com manifestações folclóricas, oficinas, teatro, exposições, mostras de cinema e outras atividades.

Fotos: André Moreira. 
 

Programação
 
A 34° edição do FASC segue até domingo, dia 03, com a seguinte programação:

Dia 03 de dezembro (domingo)

Palco João Bebe-Água (Praça São Francisco)                
16h - Um novo mundo (Grupo de Dança Nova Era 30')
16h30 - Coletivo Afro de Sergipe Ginká
17h30 - Os Cavaleiros da Triste Figura (Boca de Cena)
18h30 - Sanfônica
20h - Lacertae
21h30 - The Baggios
23h30 - Nação Zumbi
                
Palco Frei Santa Cecília (Praça do Carmo)    

14h30 - Chamem todas as Marias (Grupo de Dança Aldeia Mangue)
15h – Crística – sobre os Mitos do Sangrado Feminino – Paula Amado
16h - Ferdinando Blues Trio e Mateus Santana
17h30 - Naurêa
19h - Trem do Samba (com Marquinhos de Oswaldo Cruz e Tia Surica da Portela)
21h - Os Tabaréus
23h - Zé Tramela

Salão de Literatura José Augusto Garcez (Biblioteca Lourival Baptista, na Praça São Francisco)

Abertura com resultado dos trabalhos realizados por Ricardo Lins  

14h às 18h - Feira de Livros da Segrase
14h - Roda de conversa Izabel Nascimento (presidente da Academia Sergipana de Cordel)

15h - Oficina de Xilogravura de capa de cordel para cordelistas (Nivaldo Oliveira)
16h - Varal Poético com Alda Cruz
18h - Sorteio de dez livros entre os visitantes do Salão (Oferecimento da UFS)

Salão de Artes Visuais Vesta Vianna (Vigário Barroso - Praça da Matriz)

14h - Roda de Conversa sobre Arte em São Cristóvão - influência do FASC e contribuições para os artistas locais
    
Roteiro de igrejas (Poeta João Freire Ribeiro)

Igreja Nossa Senhora da Vitória (Praça da Matriz) 

15h - Banda Popular Filarmônica de Lagarto
15h30 - Filarmônica de Laranjeiras
16h - O Corcunda de Notre Dame (Cia de Artes Tetê Nahas)
20h - Coral Jesus Gonçalves

Cortejos (Caminhos de Mestre Rindú)

10h - Samba de Coco do Mosqueiro
11h - Batalhão de Bacamarteiros de Carmópolis 
15h - Burundanga
15h30 - Carimbó Coqueiros 
16h30 - Taieira de São Cristóvão 

Cine Trianon (Praça da Matriz)

17h - Mostra Curta-SE Festivalzinho
17h30 - O Arquivo de Ivan 
17h45 - Hotel Palace 
18h15 - A fina Malha do Tempo 
18h30 - Um Operário do Cinema 
18h45 - Doce Exílio 
19h - Madona e a Cidade Paraíso 

Teatro Mariano Antônio (Colégio Elic)

17h30 - Vulcão - Grupo Caixa Cênica
19h - De que lado você está - Cia de Teatro Pro Cena
20h - Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte (base poética Belchior) - Dep. Teatro UFS.

Exposições

Museu de Sergipe

Exposição Museu do Homem Sergipano
Exposição 100 anos do Cultart
Exposição FASC em Cartaz
Exposição Centenário de Aracaju, de Waldemar Lima
Um sergipano na Belle Époque, Candido Aragonez de Farias
            
Museu de Arte Sacra

Exposição Figure-se (Gladston Barroso)

Espaço D'Época (rua Messias Prado 116)

Exposição Emblemáticos (autor: Beto Ribeiro)