Depois de 73 horas ininterruptas de debate sobre as demandas de São Cristóvão e a construção de soluções tecnológicas em diversas áreas da administração pública, foram apresentados, na noite de domingo (3), os projetos vencedores da “Maratona de Programação e Inovação de Sergipe”, o “Hackathon Carmelita”. O primeiro lugar ficou com a equipe do GeoFAR, que desenvolveu um programa sobre o tema Gerenciamento de Riscos; Olhos do bem, que abordou Segurança Pública, ficou com a segunda colocação; e Tourstar, nas áreas de Turismo e Cultura, o terceiro lugar.

O “Hackathon Carmelita” integrou a programação do 34º Festival de Artes de São Cristóvão (FASC), que ocorreu nos últimos dias 1º a 3. Cinquenta maratonistas ficaram sediados no Centro Administrativo da Prefeitura Municipal, com tutorias de professores da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e consultores externos, a fim de consolidar São Cristóvão como uma “cidade inteligente”. Entre os maratonistas estavam estudantes de Ciências da Computação, de Engenharia Ambiental, Arquitetura e Saúde; servidores da Prefeitura e moradores.

Representando o prefeito Marcos Santana na solenidade de encerramento, a secretária municipal de Educação, Andréa Hermínia de Aguiar Oliveira, agradeceu o empenho dos participantes e a parceria com a UFS. “Foram dias de dedicação para  construir projetos que contribuam com a renovação de São Cristóvão. Vi o brilho no olhar de cada um dos participantes querendo fazer a diferença. A nossa cidade agradece a todos por este momento especial”, pontuou.

Já o professor da UFS e coordenador do evento, Rogério Patrício Nascimento, destacou o ineditismo do proposta- é realizada pela primeira vez  no Estado- e o objetivo de contribuir com a gestão municipal. “Os maratonistas criaram soluções tecnológicas para tornar São Cristóvão uma ‘cidade inteligente’. Este tipo de evento acontece no mundo inteiro, em diversas capitais, e é a primeira vez que ocorre em Sergipe. Buscamos disponibilizar programas, aplicativos e páginas da web que podem facilitar o trabalho da administração e a rotina dos que aqui residem”, argumentou.

Desafios

Morador de São Cristóvão, Fernando Filho contou que se inscreveu na maratona pelo desafio da proposta, e também pelo bem comum de São Cristóvão. “Vi no Hackathon  uma possibilidade de ajudar a nossa cidade a avançar administrativamente, encurtando a distância entre gestão e população. Sair vitorioso foi muito gratificante”.

Integrante da equipe que ficou com a segunda colocação, o estudante de Ciências da Computação, Lucas Brabec, comemorou a conquista. “Foi muito bom ter participado da maratona, e estamos felizes com o resultado. Estava ansioso para aplicar o que aprendi na universidade. Que venham novos projetos como este”, argumentou.

“ O Hackathon  foi uma experiência enriquecedora tanto no aspecto pessoal quanto profissional. Estou muito feliz em ter participado, e nossa equipe estar entre as primeiras colocadas”, avaliou Fiama Santos, formada em Sistemas de Informação.
 
Parcerias

A “Hackathon Carmelita” foi realizada em parceria com UFS e teve o apoio do Sebrae/SE e do Sergipe Parque Tecnológico (SergipeTec). No domingo, os protótipos foram apresentados à banca julgadora, composta por professores da universidade e consultores, que avaliaram os projetos nas áreas de Desenvolvimento Comercial e Industrial, Educação, Gerenciamentos de Riscos, Gestão Ambiental, Gestão de Informação, Infraestrutura, Saúde, Segurança, Trabalho e Geração de Renda, Turismo e Cultura.

A premiação foi a seguinte: 1º lugar: 1.000 reais; 2º lugar: 750 reais; 3º lugar: 500 reais. Um prêmio surpresa- um notebbok- foi oferecido para o grupo da Tourstar, por ter criado o projeto com possibilidade de execução em curto prazo, numa área cuja demanda é imediata (no caso da equipe escolhida, turismo e cultura). 

Fotos: Danielle Pereira



Equipe GeoFAR, primeiro lugar
Equipe Olhos do bem, segundo lugar
Equipe Tuorstar, terceiro lugar
Andréa Hermínia, secretária de Educação