A implantação de uma escola de música em São Cristóvão foi pauta de audiência entre o prefeito Marcos Santana e os músicos da Associação Filarmônica Lira Sancristovense na tarde desta quinta-feira, 21.

O prefeito explicou que a gestão pretende implantar escola de música que atenda a sede do município o conjunto Eduardo Gomes com o objetivo de resgatar a autoestima sancristovense, bem como oferecer uma atividade lúdica às crianças e jovens, afastando-os da vulnerabilidade social.

“Quem tem música é alguém que está distante das drogas e da marginalidade. Acreditamos no poder transformador da música e reunimos os músicos da Associação para estudar a implantação de uma escola de música porque uma escola de música salva vidas, além de enriquecer nosso cenário cultural e embelezar nossa cidade e festas. Nosso objetivo é inundar essa cidade de música”, declarou.

Maestro e presidente da Associação Filarmônica Lira Sancristovense, José Fortunato da Silva explicou que a Instituição enfrenta problemas na documentação, mas irá se organizar para atuar no projeto.  Ficou acordado que os 35 músicos da Associação irão estudar um modelo de escola para apresentar à gestão no fim de janeiro.

“A ideia do prefeito é excelente. Sem essa parceria, é impossível a gente sobreviver enquanto Associação. Iremos discutir o modelo de escola e apresentaremos até o fim de janeiro. Hoje, oferecemos aula de música, mas não temos condições de atender muitas crianças e jovens e temos muita procura”, disse.

Jailton Santos tem uma filha que estuda clarinete na Filarmônica. Para ele, a escola representa oportunidade de crescimento. “É interessante uma escola de música porque ela dá oportunidade aos alunos, oferece ocupação e uma profissão. Sempre digo a minha filha para ela se dedicar, ter compromisso”, contou.

André Michael é universitário do curso de Música da Universidade Federal de Sergipe e relata que a Filarmônica foi determinante para sua escolha profissional e instrumento de inclusão social: ele foi o primeiro da casa a ingressar na universidade, abrindo portas para os dois irmãos. “Sou fruto da inclusão social pela música. Passei pela Filarmônica e foi lá que vi que podia viver da música, estudar mais e fui para a Universidade. Estou no sétimo período e meus irmãos também passaram para Música na UFS”.

 

 

 


Maestro e presidente da Associação Filarmônica Lira Sancristovense, José Fortunato da Silva
André Michael é universitário do curso de Música da Universidade Federal de Sergipe e relata que a Filarmônica foi determinante para sua escolha profissional