Na manhã desta terça-feira, 26, o prefeito Marcos Santana, acompanhado do secretário de Infraestrutura, Thiago Souza, visitou a estrada da Cabrita para verificar as principais necessidades de infraestrutura dos moradores da região, cujo crescimento foi acentuado nos últimos anos com a construção de condomínios residenciais.

Na ocasião, ficou acertado que a Secretaria de Infraestrutura fará um relatório sobre as condições de micro e macro drenagem, coleta de lixo, iluminação e  descarte de material de construção civil para que a Prefeitura possa solicitar a execução dos mesmos de acordo com a legislação. 

“O maior problema é habitação subnormal e construção inadequada sem a devida fiscalização do poder público, assim como os empreendimentos que foram autorizados e deixaram uma série de passivos, sem drenagem, sem iluminação. Estamos verificando a real situação para tomar as medidas necessárias. Vamos chamar as construtoras e a Caixa Econômica, que foi quem financiou as construções, mas, se for necessário, iremos tomar medidas legais”, informou o prefeito Marcos Santana, destacando que com a posse do Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Sustentável (Condurbs), a emissão de novas licenças para construção de empreendimentos será regulada de forma eficaz.

 “O Condurbs vai atuar regulando as concessões de novas licenças, para onde a cidade vai crescer. A fiscalização de empreendimentos e construções individuais é feita pela prefeitura e vamos ampliar, a partir de janeiro, a equipe da secretaria de Infraestrutura”, disse.

Representante da comunidade, Manuel Lima Rodrigues reside no loteamento há 45 anos. Ele conta que não existe não iluminação pública na via que margeia os novos condomínios, nem esgotamento nas ruas 5 e 6.

“Enviei ofício para a prefeitura solicitando a presença do prefeito Marcos Santana no loteamento. Estamos satisfeitos que o prefeito veio olhar, ouvir a gente. São mais de 200 famílias nas ruas 5 e 6 que vivem sem esgoto, quando chove, alaga tudo. Outro problema é a iluminação perto dos condomínios”, relatou.
 
Proprietário de uma mercearia na esquina da Rua 5, Orlando Ribeiro da Silva contou as dificuldades em residir e trabalhar na região. “A gente não recebe correspondência porque não os Correios não chegam aqui, sem falar na poeira e enchente quando chove. Esses anos todos, nunca um prefeito apareceu aqui para colocar uma caçamba de areia, até hoje”.  


Fotos: Márcio Garcez. 
 
 


Representante da comunidade, Manuel Lima Rodrigues reside no loteamento há 45 anos
Proprietário de uma mercearia na esquina da Rua 5, Orlando Ribeiro da Silva contou as dificuldades em residir e trabalhar na região