O aumento populacional nas cidades, aliado a uma sociedade cada vez mais consumista gerou uma das grandes problemáticas do mundo contemporâneo: o aumento da produção de resíduos, e com ele, o descarte, muitas vezes realizado de forma irregular. A Prefeitura de São Cristóvão está atenta a esse agravante, e para isto vem informando à população como evitar este problema através de placas sinalizando o não descarte em vias públicas. Além disto, o município faz parte do Consórcio Público de Saneamento Básico da Grande Aracaju que desenvolve ações de conscientização e preservação do Meio Ambiente.


“As pessoas precisam entender que o descarte de resíduos em locais irregulares causa prejuízos tanto para elas quanto para a natureza. A partir deste ano, nós iremos fazer um serviço de coleta seletiva, no entanto, para que isso aconteça a população precisa fazer a segregação do lixo em suas residências”, observou a diretora da Secretaria Especial de Agricultura e Meio Ambiente, Ana Carla Andrade.


O descarte irregular contribui para a proliferação de doenças como a dengue, além de causar má impressão para quem visita a cidade. Aqueles que jogam os resíduos em qualquer lugar e acreditam que é algo simples e por vezes um hábito natural, enganam-se. Descarte irregular é crime ambiental, além de representar risco à saúde pública.

“Em São Cristóvão não existia uma Secretaria de Meio Ambiente, o que existia era um departamento dentro da Secretaria de Infraestrutura com foco somente na liberação de certidão de uso e ocupação de solo, eles não colocavam em prática as atividades de gerenciar ambientalmente o município como está existindo agora. O município segue o que contempla a lei nacional 12.305/10, sobre política nacional de resíduos sólidos, que informa que descarte irregular é crime ao meio ambiente passível de multa”, mas a nossa intenção é para que seja criada uma lei municipal de resíduos sólidos, informou a diretora.

O engenheiro ambiental Elísio Cristovão, chamou a atenção para outra problemática do descarte irregular na cidade. “Além dos resíduos sólidos domésticos (lixo) outro grande vilão ambiental são os resíduos sólidos de construção civil lançados em áreas sem autorização. É importante que os cidadãos entendam que os “entulhos”, mesmo que de pequenas obras, devem ter um destino adequado. E mesmo que sejam utilizados para outros fins, como para terraplanar terrenos, estes devem ter autorização”.

Através da Secretaria de Serviços Urbanos (Semsurb), a Prefeitura de São Cristóvão tem intensificado o serviço de limpeza urbana. No Centro Histórico a coleta de resíduos é realizada durante as segundas, quartas e sextas. No Grande Rosa Elze: terças, quintas e sábados. “A população precisa ter consciência que estamos trabalhando na garantia de uma melhor qualidade de vida para eles, precisamos que cada cidadão tenha a sensibilidade de entender a importância de uma educação ambiental, já estamos fazendo isso com muito carinho”, pontuou Ana Carla.

 

Fotos: Danielle Pereira.


Ana Carla Andrade, Diretora de Meio Ambiente
Elisio Cristovão, engenheiro ambiental